contato@clinicadeolhosvisar.com.br
Telefones : (34) 3664 8488 | 3664 8269
Av. Aracely de Paula, 1815 | CEP: 38184-023 - Araxá/MG

Diferenciais

Os profissionais da Clinica de Olhos Visar valorizam e investem no bem estar e comodidade de seus pacientes. Exames, tratamentos e cirurgias antes somente realizados em grandes centros, são, atualmente, realizados em nossa cidade por profissionais qualificados com aparelhagem moderna de alta performance tecnológica.


  • Yag laser:

    Exame realizado com laser Nd: YAG laser, indicado principalmente para tratamento de opacidade capsular no pós-cirúrgico de catarata. Em alguns casos a cirurgia de catarata pode evoluir para uma opacidade em uma região do olho chamada de cápsula posterior, na qual a lente intraocular está apoiada. Essa opacidade evolui com piora na visão após a cirurgia, chamada por alguns como de segunda catarata, pois a visão volta a ficar turva. O processo de aplicação do laser elimina essa opacidade, restabelecendo a visão.


  • Degeneração Macular Relacionada com a Idade:

    diagnostico, tratamento clínico e cirúrgico: A Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) é uma condição que afeta a mácula, região central e mais crítica da retina, que promove a visão de detalhes. A prevalência da perda visual decorrente da DMRI aumenta com a idade. No Brasil, é uma das principais causas de perda irreversível da visão central, em pessoas com mais de 60 anos. Embora, na maioria dos casos, a DMRI não resulte em perda visual severa, a perda da visão central pode ter grande impacto na vida de uma pessoa, limitando a habilidade para dirigir, para ler ou mesmo para ver o rosto de alguém. É uma doença crônica, relacionada com o envelhecimento. A detecção precoce da doença e seu monitoramento periódico podem, muitas vezes, permitir o tratamento da mácula, evitando a perda visual severa. É significativo o avanço da ciência no tratamento da forma mais agressiva de DMRI, tipo neovascular. As abordagens farmacológicas mais recentes, como o uso de injeções intraoculares, proporcionaram desfechos mais consistentes no tratamento. Duas drogas, o Ranibizumabe(Lucentis) e o Aflibercept (Eylea), são aprovadas para o tratamento da DMRI neovascular. Por causa dessas drogas o tratamento da DMRI mudou dramaticamente nos últimos anos. As opções terapêuticas vão continuar crescendo nos próximos anos, pois ofereceram aos pacientes a oportunidade de manter ou melhorar a visão.


  • Cirurgia de catarata com Lente Intra Ocular (LIO) Premium:

    Quando há perda da transparência do cristalino, diz-se que o paciente está com catarata. O cristalino é uma lente intra-ocular natural, que tem como finalidade projetar as imagens que entram no olho sobre a retina. Ele sofre um processo de opacificação, ou seja, perda da transparência, que dependendo da intensidade, leva ao aparecimento de sintomas, tais como: intolerância intensa à luz, halos sobre fontes luminosas e diminuição da visão. A cirurgia corretiva mais moderna é a facoemulsificação que consiste na liquefação do cristalino através da vibração de um transdutor de ultra-som. Essa técnica tem a grande vantagem de não necessitar de suturas. As lentes intra oculares mais modernas, implantadas após a retirada da catarata, são dobráveis e possuem em sua estrutura física filtros que protegem a retina e, mais recentemente, a mácula. As LIOs com características especiais são chamadas “lentes premium”. Algumas delas são: LIOs TÓRICAS: são lentes que diminuem o astigmatismo dos pacientes, e não apenas a miopia e hipermetropia como fazem as LIOs tradicionais. Aumentam a possibilidade de paciente operados de catarata ficarem independentes do uso de óculos para a visão de longe. Exigem uma programação cirúrgica muito rigorosa e técnica apurada, pois qualquer variação no posicionamento da lente dentro do olho pode diminuir sua eficácia. LIOs MULTIFOCAIS: são lentes que através de diferentes tecnologias permitem a formação de mais de um foco na retina do paciente, permitindo visão com boa qualidade tanto para objetos localizados a longa e curta distância do paciente. Podem diminuir (e até mesmo acabar) com a dependência dos óculos para leitura. Existem vários tipos no mercado, cada uma com pontos fortes e fracos, e cabe ao cirurgião a definição da melhor lente para cada paciente.